sábado, 22 de maio de 2004

VIDA EM PROSA

VIDA EM PROSA

Ontem tentei fazer um poema. Escrever algo bonito, rimado, trabalhado. Talvez até um soneto, de fidelidade, de separação, assim como fez Vinicius de Moraes. Mas desisti. Não sei fazer poemas, só sei falar da vida, em prosa. Pode ser que um dia eu consiga, é claro, e tomara. Mas hoje não consigo ver a vida combinando, em rimas, em estrofes.
A vida pra mim sempre foi assim, corrida, linear. Como se nada acontecesse premeditadamente, eu realmente não acredito em destino.
Sempre vi beleza, e muita, nas surpresas. Como se a gente fosse encaminhando a vida por onde queremos, mas ela sempre nos colocando obstáculos pra testar nosso desejo de alcançar.
Há quem duvide, há quem acredite que tudo já está escrito no longo livro da vida, e que cada pessoa tem seus dias, seu fardo já determinado. Pode ser, alguém pode ter certeza? Mas a vida não seria bela assim.... como pode alguém já nascer condenado a sofrer, ou não ter nenhuma realização, pois não era seu destino? Nós não teríamos o porque lutar, sonhar. Já estaria tudo feito por outra pessoa, Deus talvez....
Prefiro a vida como uma música sem refrão e ouvida pela primeira vez. Daquelas que você nem imagina o que o cantor vai pronunciar na próxima estrofe. A vida, desenhada e musicada por nós, seres que procuram subir, que buscam sonhos.
É claro que existem situações em que eu também preferiria ter um destino dado, mas isso é um refúgio que temos, para quando estamos cansados de buscar e não encontrar. Cansados de viver as surpresas da vida sem realizarmos logo nossos sonhos e projetos e assim, podermos ficar tranqüilos. Preferimos colocar a culpa no destino.
Imagina se você hoje, nesse momento da sua vida, você já tivesse conquistado tudo o que quer, tudo, sem restrições... o que faria agora?
Entende? A vida tem que ser uma eterna busca, um eterno desejo, um eterno sonho não alcançado, pois senão, ela já poderia acabar, e acabar agora...não teríamos mais nada que nos motivássemos. E o bom é que o ser humano é naturalmente assim, sempre sonhador...
Se conseguíssemos hoje, comprar o carro tão planejado, que não dava espaço pra nenhum outro sonho, imediatamente ao entrar no carro, almejaríamos um aparelho de CD, trocar de apartamento para ter uma garagem nova... sair mais e encontrar uma companhia, tudo que nos vá colocar em mais buscas incansáveis pelos caminhos da vida...
Olha que isso está até ficando poético, só me faltam rimas!
Agora, falando sério, espero que a minha vida continue assim, cheia de imprevistos, surpresas em que eu tenha que aprender a me sair bem ou mal. E espero que a vida de todos seja assim, espero realmente que não exista destino. Espero que gente possa se surpreender, possa mudar de idéia, possa errar e voltar atrás. Como em prosa, sem precisar rimar.
Mas se você prefere que a sua vida seja um poema, um soneto... que ele seja surpreendente, e que das palavras sem rima, você, além de corrigir, possa aprender um novo vocabulário, pois aí sim, vai valer a pena lutar e se surpreender com o que conseguir.

SAMANTHA ABREU

Um comentário:

BAR DO BARDO disse...

Acho que já aprendeste uma série de novos vocabulários.