domingo, 3 de outubro de 2004

Estranhas Lágrimas

" Lágrimas... noutras épocas verti-as
não fui de olhar enxuto como agora
eu próprio me aconselhava: 'Chora,
que o pranto é um refrigério às agonias'

Ah! quantas vezes pelas faces frias,
melancolicamente, hora trás horas,
gota a gota rolando, elas, outrora,
marcaram noites, marcaram dias!

Vinham do oceano da alma, estranho e fundo,
quentes num debulhar sincero e franco
mal reprimindo a minha angústia louca.

Nos olhos, hoje, as elimino e estanco.
Jorram, no entanto, sem que as veja o mundo
sob a forma de risos pela boca. "


Félix Pacheco