domingo, 26 de dezembro de 2004

Pra nunca mais esquecer

Hoje assisti ao filme "Lisbela e o Prisioneiro", e quando o Selton Melo recita para a Debora Falabela ("Lisbela") esse poema, quase surtei!
Me lembrei dele, esquecido na minha cabeça e de como eu o amava. Então... vou deixá-lo aqui, pra nunca mais esquecê-lo esquecido:


"Transforma-se o amador na coisa amada
Por virtude do muito imaginar;
Não tenho, logo, mais que desejar,
Pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
Que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
Pois com ele tal alma está liada.

Mas esta linda e pura semideia,
Que, como o acidente em seu sujeito
Assim como a alma minha se conforma
Está no pensamento como ideia;
O vivo e puro amor de que sou feito
Como a matéria simples busca a forma."


Luís de Camões


Um comentário:

BAR DO BARDO disse...

Camões é de surtar mesmo, com razão (ou sem)...