quarta-feira, 30 de novembro de 2005

NosTAlgiAndO


Estou voltando a trabalhar, minhas férias foram extremamente ociosas... daquelas que chegam a cansar de não fazer nada.. sabe?
Pois é....
Aproveitei pra remexer e fuçar numas coisas que eu tinha aqui.. e achei e esse texto que escrevi não me lembro quando, nem porque. Mas, li de novo e continuei achando bonito (o que raramente acontece). Então, vou colocar aí:
.
.
.
NOSTALGIANDO

O que sinto agora é saudade. Pensei até em pedir pra família levar os álbuns de fotos antigas no almoço de domingo. Lembrar da botinha da Xuxa, do corte de cabelo, rir das poses... “nostalgiar”, se é que desse substantivo pode se fazer um verbo!
Saudade a gente gosta de matar, matar cutucando, igual casquinha de machucado que a criança não deixa cicatrizar e faz sangrar sempre. A gente mexe, pega uma carta, lê, relê, lê de novo. Olha pra foto, fica com o olho estatelado, parado nos olhos de quem está lá, mesmo que seja a gente mesmo. Ficamos procurando ver naqueles olhos, o que a gente sentiu naquele tempo, ou descobrir o que pensava aquela pessoa.
É o mais estranho e absurdo dos sentimentos. Quando sentimos ódio, odiamos e pronto. Pra amar, nem precisamos ter muitos motivos, ou então, fica fácil inventá-los. Saudade não, saudade é um sentimento que dói mais do que o amor, faz chorar mais que decepção, e a gente gosta. Gosta, e gosta muito.
Não temos coragem suficiente pra rasgar aquela carta, botar fogo naquela foto, jogar fora aquele presente, ou até aquele papel de bombom. Se fazemos isso, é só na frente de alguém, a fim de não nos mostrarmos fracos. Mas quando sozinhos, quase morremos de vontade de revirar o lixo, e guardar tudo de novo no fundo do guarda-roupa.
Recordações são como xodó. A gente cuida, limpa, valoriza feito ouro. E muitas vezes, são lembranças que nem mesmo nos trazem bons sentimentos, e ainda assim, queremos conosco. São nossas, e lembranças são as únicas coisas que nenhuma outra pessoa pode tirar da gente. Podemos perder dinheiro, perder amigos, namorados, mas ninguém, ninguém mesmo, nos tiram as lembranças e a saudade.
Qualquer outro sentimento está condenado ao fim, pelo menos é o que eu acho. O amor acaba, seja com a falta dele mesmo, seja com a distância, ou qualquer outro motivo. O ódio passa, seja com o tempo ou com o amadurecimento. A amizade se renova, seja com gente nova ou com laços desfeitos. A paixão esfria, seja com o passar da febre, ou com a chegada de uma nova. Mas a saudade.... nem o tempo, nem a distância, nem a gente mesmo extermina. A gente até brinca de “matar” a saudade de vez em quando, mas ela renasce, ressuscita feito coisa divina, e volta a doer no coração, na garganta, na cabeça, nos olhos encharcados e vermelhos de tanto chorar.
A primeira vez que eu disse que achava a saudade um tipo de sadismo, me xingaram. Mas eu acho mesmo, pois como já disse aqui, a gente adora sentir saudade, a gente não pára de olhar para fotos, ouvir músicas, guardar tranqueiras e olhá-las sempre que caímos em tentação. Todos nós somos assim.
Não existe explicação. Dói demais e a gente gosta. E pra falar a verdade, é mentira de quem disse que a gente só sente saudade do que nos fez feliz. Mentira cretina! Quem nunca teve saudade do namorado que traiu, da amiga que mentiu, das brigas dos pais antes da separação, do avô rabugento, e tantas outras coisas chatas, que doem na auto-estima de não ter conseguido fazê-las melhor?
Francamente, a gente tem saudade de tudo o que é importante, seja bom ou ruim. A gente sente arder o vazio que fica no lugar daquela coisa que passou, e não pode nunca ser substituída.
“Nostalgiar” é a melhor atividade que a mente humana pode realizar. A mais complexa e uma das únicas que pode mexer com todo nosso corpo, com toda nossa alma e nossa inteligência. Inteligente é quem pensa e tem memória. Inteligente é quem sabe valorizar a vida e sente saudade do que viveu.
.
.
SAMANTHA ABREU

3 comentários:

Moreno disse...

Oi, Samantha! Provavelmente vc deve estar achando que eu apareci assim repentinamente só por causa que mandei p vc hj um e-mail com a divulgação da minha espelunca...quase foi isso...hehehe...;-)mas pensei que podia perder boas coisas aqui. Viu, me fala uma coisa, vc gosta do Arnaldo Jabor, vc lembra um ele. sei lá...vc vai lá na veia...na verdade toda literatura vai na veia, mesmo, ou principalmente aquelas com muita ironia e sarcasmo. mas vc é bastante direta...naquela hora por exomplo q vc fala que a gente sai todo Sábado p achar alguém...aliás...briguei com vc por causa disso uma vez...outra parte tb é quando vc fala que a gente gosta muito da saudade...aquilo me chamou muito a atenção pq eu sempre to mudando...E a missa das aulas da UEL, como andam??? Bjs!

Anônimo disse...

Vc é a coisa mais maravilhosa desse planeta!

Te amo!

Anônimo disse...

Vc nem imagina o que descobri!:

Vc é uma bruxa!
Bruxa - feiticeira!

o que vc fez comigo!??????

Te amo....

BB