domingo, 11 de junho de 2006

Distância


Distância

Dor de não querer distante
Fruta amargando a língua
Calor de casaco de lã
Coceira de sol em excesso
Insônia com olhos ardendo
Você na Bahia e eu sem sucesso

Vontade te dividir o sossego
Repartir a maçã sem veneno
Brincar a areia da praia
Dormir abraçado ao sereno

Te vejo mochila nas costas
A caminho do nosso aconchego.
Samantha Abreu


Um comentário:

Anderson Almeida disse...

Esse poema é ótimo, digno de uma análise bem elaborada... leituras como essas não terminam...