quinta-feira, 13 de julho de 2006

Menino das meias vermelhas

Todos os dias, ele ia para o colégio com meias vermelhas. Era um garoto triste, procurava estudar muito mas na hora do recreio ficava afastado dos colegas, como se estivesse procurando alguma coisa. Os outros guris zombavam dele, implicavam com as meias vermelhas que ele usava.
Um dia, perguntaram porque o menino das meias vermelhas só usava meias vermelhas.Ele contou com simplicidade:- "No ano passado, quando fiz aniversário, minha mãe me levou ao circo. Botou em mim essas meias vermelhas. Eu reclamei, comecei a chorar, disse que todo mundo ia zombar de mim por causa das meias vermelhas. Mas ela disse que se me perdesse, bastaria olhar para o chão e quando visse um menino de meias vermelhas saberia que o filho era dela".
Os garotos retrucaram:- "Você não está num circo! Porque não tira essas meias vermelhas e joga fora?"
Mas o menino das meias vermelhas explicou:- "É que a minha mãe abandonou a nossa casa e foi embora. Por isso eu continuo usando essas meias vermelhas. Quando ela passar por mim vai me encontrar e me levará com ela".

Carlos Heitor Cony



2 comentários:

Cadu disse...

oi! tá tudo muito lindo isso aqui!
fazia tempo que eu não dava uma passadinha por aqui... mas já consegui me atualizar nesse monte de coisa boa!

Quero te ver, e jogar umas conversas fora!
Um beijo!

Cadu

feruta disse...

Samantha,
adoro visitar seu blog!
sempre encontro sensibilidade e poesia por aqui.

"Assaz o senhor sabe: a gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar na outra banda é num ponto muito mais embaixo, bem diverso do em que primeiro se pensou. viver nem não é muito perigoso?"
(João Guimarães Rosa, o melhor escritor que já se ouviu falar, em Grande Sertão: Veredas)

um beijão pra vc