terça-feira, 4 de julho de 2006

Para V.

Para V.


Tudo o que quero
De alma.
Parece caber
na medida do corpo.
Serenidade
Me acalma

Impulso constante,
Atitude extrema,
Brilho ao redor.
Me desperta desejo
de criar
um poema.

Boca ardendo,
Mãos procurando,
Garoto-esfinge
me atiça a vida.
Corre pra longe,
Parece distante,
Eu fico querendo
em teu beijo acolhida.



Samantha Abreu

6 comentários:

Anônimo disse...

é incrivel minha insistencia em duvidar de quando vc fala, não acredito que não exista mais nada!
Ainda te amo, amo sua explosão de sentimentos
Amo sua expressão de vida no limite.
Amo seu cheiro
Amo demais você.
O que mais preciso fazer pra vc acreditar?

Anônimo disse...

Quem é V. ?
já tô com ciúme....

Daniel disse...

Samantinha, tô morrendo de saudade das nossas conversas de horas a fio, sobre o mundo e tudo que existe sobre ele... rsrsrsrsssss

vc fala bem até do que não existe, até do que nem nasceu, até do que vc inventa nessa sua cabeça louca, até do que ninguém imagina...

PS >> e faz as coisas melhor ainda! rsrsrsrsss

Te amodoro!

André Bueno disse...

Parabéns pelo seu Blog, é fantástico tudo o que tem aqui...

vc escreve muito bem.

Um beijo!

Eduardo disse...

Sá... aparece meu!
escutei aquela música do Caetano que vc gosta:

"menina do anel, de lua e estrela,
raio de sol, no céu da cidade
brilho da lua, noite é bem tarde
penso em vc, fico com saudade..."

Lembrei muito de vc.
me liga pra gente fazer algo, tá?!


>> Já que vc nunca atende esse celular! rsrsrsrss

RIZ_SS disse...

é bom olhar pra trás.