sábado, 22 de julho de 2006

Tortura

Tortura
Deixar que a agulha escape
Sob as unhas
quando costuro o botão.

Sentir o sangue escorrer
Pelos lábios
quando rôo as unhas das mãos.

Usar casaco de lã
Ao pescoço
quando o sol arde em brasas.

Deitar sozinha à cama
Pois meu corpo
não é mais tua casa.



Samantha Abreu

3 comentários:

Anônimo disse...

POema lindo! Pura metáfora do título!
Muito bom!

Anderson Almeida disse...

Idem, para não ser redundante...

Anônimo disse...

Here are some links that I believe will be interested