sexta-feira, 8 de setembro de 2006

Felicidade


"Então isso era felicidade. E por assim dizer sem motivo. De inicio se sentiu vazia. Depois os olhos ficaram umidos: era felicidade, mas como sou mortal, como o amor pelo mundo me transcende. O amor pela vida mortal a assassinava docemente, aos poucos. E o que é que eu faço? Que faço da felicidade? Que faço dessa paz estranha e aguda, que já está começando a me doer como uma angústia, como um grande silêncio? A quem dou minha felicidade, que já está començando a me rasgar um pouco e me assustar?
Não, não quero ser feliz. Prefiro a mediocridade.
Ah, milhares de pessoas não têm coragem de pelo menos prolongar-se um pouco mais nessa coisa desconhecida que é sentir-se feliz, e preferem a mediocridade."
Clarice Lispector

2 comentários:

Ricardo Dalai disse...

realmente esta lindo
"Ria, e o mundo rirá com você! Chore, e chorará sozinho".
verdade imutavel

sobre a cerva vamos ver
quem sabe
tem aquela festa hj entaum nao sei como farei
mas qualquer coisa te ligo

chegaram as respostas do restante dos meus textos... mais agradaveis...rsrs

bjos linda

Ricardo Dalai disse...

é exatamente isso: angustia de passado (q insiste em não passar)

mas tudo passa...
rsrsrs

bjosss