terça-feira, 7 de novembro de 2006

Por conta do horóscopo

( Esse é o outro conto ganhador do concurso... )

Bom, doutor, é o seguinte: amo a um, vivo com outro e desejo um terceiro. Isso tudo me bloqueou e eu não consigo mais trabalhar.
Há cinco anos, todos os dias, escrevo horóscopos no jornal. Não, não sou astróloga, vidente, mãe de santo, nada disso. Gosto mesmo é de inventar histórias e imaginar a cara de quem as está lendo. Então, um dia, escrevo uma mensagem triste e, no outro, uma mais alegre, assim o leitor valorizará mais os bons momentos. É isso que acontece comigo e, acho, com todo mundo, né?
Eu amo tanto o Aristides, doutor, mas tanto, tanto, que a gente não sabe conviver. Somos como cão e gato e, ainda por cima, fica todo mundo falando que um dia a gente casa! Casa, nada! E, se casar, é bem capaz de um matar o outro. Ele agora resolveu fazer que não me vê. Deve ser porque descobri que ele estava de caso com uma sambista lá da vila. Aí, o senhor acredita que eu escrevi no signo dela que seria traída e ainda mandei o jornal de presente? No dele — que é ariano, o desgraçado — disse que cometeria uma grave traição por ser incapaz de ser fiel. Ah! Quando ela leu as previsões, casou as informações e mandou o Aristides embora. Agora, ele acha que a culpa foi minha! Quem manda querer me fazer de besta e arrumar uma mulher que crê em horóscopo?!
Com o Genival, é diferente. Ele faz tudo o que eu quero, me enche de mimo e agüenta as bordoadas. É isso mesmo, doutor, não sou mulher de dar mole pra homem não. Toda mulher tem mais é que judiar do cabra, quando tem oportunidade. Não tenho culpa do trouxa da vez ser o Genival, coitado! Minto tanto pra ele que, às vezes, até me esqueço do que inventei e ele percebe. Mas sempre dou um jeito de contornar a situação e invento outra história melhor, ele acaba se sentindo mal por ser tão ciumento e desconfiar de uma mulher direita como eu. Também escrevo umas coisas legais no signo dele, principalmente quando percebo que ele anda meio desconfiado. Peço que confie na pessoa amada e essas baboseiras todas. O mosca-morta nem imagina que sou eu quem escreve tudo aquilo, e, como não gosta muito dessas previsões (tem vergonha, só porque nasceu Touro, coitado, né?!), só lê o horóscopo quando insisto muito.
Quando arrumei esse emprego, o Aristides foi comigo, a gente estava nos bons tempos do começo, e ele me recomendou que não contasse a ninguém, senão iam saber que é tudo mentira. Todo mundo pensa que eu trabalho no telemarketing, sabe? Só o traste do Aristides sabe a verdade.
Ah, doutor, o pior de tudo é que o Paulão apareceu. Ele faz parte do meu passado, entende? Namoramos quando eu era meninota, tinha 18 anos, e o Paulão, 30. Ele me fez mulher, desabrochei pra vida e agora, depois de dez anos, a tentação reapareceu! Tenho dó é do Genival, porque o coitado tá levando uns chifres na testa. Mas não consigo resistir ao Paulão, doutor, mulher nenhuma consegue, não há meio. O homem é grande, bonito, cheiroso, Ave Maria! Dei até pra escrever no horóscopo dele, que é escorpião, que ele vai voltar com um antigo amor. Nem sei se ele lê ou acredita nessas coisas, mas vai que... né?!
Não é que ele me mandou de presente uma calcinha de renda vermelha? Genival quase enfartou! Tive que dizer que era brincadeira das meninas lá do call center. O Genival queria que eu a usasse com ele! Como?! Antes do Paulão, doutor?! Tive que sair com Paulão de emergência, numa terça-feira à tarde, pra poder usar a calcinha primeiro com ele. Meu Deus! Fiquei boazuda com aquela calcinha, o senhor precisava ver! O azar é do Aristides, aquela mula que inventou de empacar e não me dar bola!
Então, esse é o motivo pra eu estar aqui. O único jeito de resolver tudo isso é sair desse emprego. Assim, continuo com meus homens, fico mais concentrada neles e não preciso ficar dando conselho pra essa mulherada desocupada, que fica lendo horóscopo no jornal.
Agora, doutor, veja aí minhas contas que vou embora. Não quero mais trabalhar aqui não, até porque o Genival não quer que eu ande com as meninas desse lugar, por causa da história da calcinha vermelha. Ele me disse que vai me pagar uma mesada só pra eu cuidar da casa! O Paulão não se agüenta de tanta alegria.
O Aristides, aquele ordinário, tá com ódio de mim e não quer mais que eu escreva horóscopos, senão ele não arruma mais namorada.
Tá vendo, doutor, como meu problema é esse emprego?!


Samantha Abreu

2 comentários:

Ricardo Dalai disse...

que titulo bonito samantha! bem original...

adorei o texto da dama da lotação e roubei a imagem q ganhou oscar de melhor fotografia..rsrs

bjus feia

camila_vicencio disse...

A-D-O-R-E-I!!!! esse é muito bom...afff, acho que todos são muito bons..mas esse mereceu mesmo ganhar um concurso...é isso né?? ...sei que a Josi Venancio vai adorar seu blog...vou até mandar pra ela o link...esse em especial é a cara dela...sei lá porque!!!