quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Finais


processo 364/...

Despediram-se ali mesmo, no meio da rua, com um aperto de mão. Ele, impassível em seu terno cinza-escuro. Ela, implorando a todos os santos que a ajudassem a suportar os próximos minutos sem ele.

Enquanto os olhos — dela — teimavam em buscar direção oposta, uma cartorária arquivava de qualquer jeito, entre as estantes da Primeira Vara, oito anos de risos, cicatrizes e ais.


Mariza Lourenço
escritota suicida

Nenhum comentário: