quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

NU


Quando estás vestida,
Ninguém imagina
Os mundos que escondes
Sob as tuas roupas.

(Assim, quando é dia,
Não temos a noção
Dos astros que luzem
No profundo céu.)

Mas a noite é nua,
E, nua na noite,
Palpitam teus mundos
E os mundos da noite.
Brilham os teus joelhos,
Brilha o teu umbigo.
Brilha toda a tua
Lira abdominal


Manuel Bandeira

Nenhum comentário: