quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Inconstancia Feminina (da série "Mulheres sob Descontrole")


Eu já sacava logo: não vai dar certo não...
O cara usava uma meia branca, com calça jeans e sapato social. Eu sentia aflição todas as vezes que ele aparecia. Tinha um papo legal, sabia falar de música e cinema e isso era tão bom, mas quando eu olhava para o pé, queria morrer.
Não deu pra continuar. Cheguei pra ele e disse: ‘Beto, não estou preparada para algo mais, e preciso de um momento pra mim. Qualquer dia a gente se fala’.
Ele ficou com cara de tacho, parado por uns 2 minutos me olhando sem saber o que dizer. Mas eu só disse a verdade, eu sentia que não daria certo.

Conheci o Cadú e cai de amores. Era bonito e engraçado, do jeito que eu queria. Saímos juntos umas três vezes, e ele disse que queria me namorar. Foi nesse momento que percebi. Ele falava muita coisa errada, até me mandou uma mensagem dizendo que gostava do meu ‘geito’, com g. Pensei comigo mesma: ‘isso é preconceito lingüístico, o cara gosta de você, sua boba!’. Mas eu tinha vontade de sair correndo todas as vezes que ele abria a boca. Não tinha mais assunto para bate papos, não suportava mais a convivência, nem por algumas horas. Chamei-o em casa um dia e soltei: ‘acho que não temos afinidades, somos muito diferentes e é melhor deixarmos como está para não sofrermos depois’.
Ele foi um pouco rude, dizendo que eu era muito fresca e estava querendo escolher demais. Disse até que eu nem era tão especial assim, e devia ser mais humilde!
Meu Deus, e o meu direito de escolha?

Entrei mesmo em crise quando me envolvi com o Arnaldo. Ele me parecia tão perfeito que até tive medo. Tinha estilo, personalidade e sagacidade. Minhas qualidades prediletas. Esse foi o problema. A cada dia que passava, eu notava mais aproximação entre a gente, e ia me apegando mais. Isso era aterrorizador para uma mulher como eu. Além de adorar variedade, eu não suportaria atrelar minha vida a alguém, e ter que deixar toda minha comodidade e liberdade da vida avulsa.
Ficamos juntos alguns meses, e quando percebi que estava incriminada até o pescoço, sentei ao lado dele e disse: ‘Arnaldo, você não imagina como gosto de você. Mas, tenho uma visão muito prática, e vejo longe em meus relacionamentos. Sinto que não vai dar certo, porque somos parecidos demais e não quero sofrer...’. Ele me interrompeu com um intenso ar de ironia: ‘Minha filha, sem essa. Você não sabe de nada, e me faça um favor, vê se estuda astrologia... seu negócio é bola de cristal’.
Deu-me as costas e dessa vez, eu é que fiquei estática, com a boca entreaberta, pasma.

Os homens não respeitam a gente. Não temos direitos de ser exigentes, de ser seletivas e de dizer a verdade...
Do jeito como ele falou, até parece que o problema é comigo!


Samantha Abreu

11 comentários:

Nao tem Sentido disse...

Bom texto, muito legal a sua colocação. Mas nao sao todos os homens assim, isso eu asseguro, hehe. Bjs

F. Reoli disse...

Apesar de ser sagitariano a vida me ensinou a não ser tão 8 ou 80...rs... eu fico no 69...rs...
Também acredito que nem todos homens são assim, ainda existem alguns - e falo por mim mesmo - que se interessam a enxergar o que existe por detrás do espelho dessa dádiva chamada mulher...rs
Beijos e gostei daqui.

Rê Ruffato disse...

Hahaha, Samantha, vc é uma figura! Já dispensei homem de mocassim com meia branca, já dei pé na bunda de sujeito que falava "eu ouvo com o coração, gata". Mas eliminar o parecido comigo nao rolou. Eu é que fui pro paredão com um desses. E dói!!!
Beijocas

Wallace disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Wallace disse...

O desfecho foi sensacional. É claro que todos os homens não são assim, só a maioria... Parabéns pelo blog!

Daniel Nérso disse...

(Momento Toda-Teen on)

Não desespere, pois vc achará o par ideal, e por ideal digo aquele q tem os defeitos perfeitos para te atiçar e te prender.

(Momento Toda-Teen off)

"Sagacidade" ... acho q é a primeira vez q ouço(ou leio) alguém pedir isso de um homem hahaha... talvez já tenha ouvido "astuto".

Uilians Uilson disse...

A boa e velha complexidade feminina. Se não fosse isso não seria esses seres adoráveis... Sempre em alto nível, em Samatha

Diogo Lyra disse...

hehehe, essa é minha saga predileta. se não for um impropério, gostaria de publicar uma delas no meu próprio blog, na série "Apropriações Indébitas".
deixa vai...
bjs.

Fernando Medeiros disse...

Fez até eu me sentir melhor. Levei uns foras parecidos... Talvez o problema não tenha sido comigo. Vocês estão exigentes de mais!

melodemeias disse...

Puxa!!! Eu podólatra de carteirinha, fanático por pés femininos calçados de meias, sejam grossas, finas, pretas, brancas etc... Agora, levar um fora, por causa de meias brancas, isso será de homem, ou as mulheres estão cada vez mais imprudentemente egoístas e pedantes? Eu quase não acredito no que li. Enfim, está escrito e não é MAKTUB. Continue assimm e acabará sem o melhor que o homem tem, que não usa meia, mas camisinha... Ha!Ha!Ha!

melodemeias disse...

Puxa!!! Eu podólatra de carteirinha, fanático por pés femininos calçados de meias, sejam grossas, finas, pretas, brancas etc... Agora, levar um fora, por causa de meias brancas, isso será de homem, ou as mulheres estão cada vez mais imprudentemente egoístas e pedantes? Eu quase não acredito no que li. Enfim, está escrito e não é MAKTUB. Continue assimm e acabará sem o melhor que o homem tem, que não usa meia, mas camisinha... Ha!Ha!Ha!