domingo, 25 de fevereiro de 2007

Mortal Afrodite


Ela o queria de qualquer jeito, e na verdade, queria ainda mais se fosse do jeito errado. Isso era traço de personalidade: quanto menos certo, mais desejava. Aliás, muito mais do que isso, ela queria era ser desejada. Enchia-lhe o ego e a fazia se sentir em patamar de deusa.
Em um dos sarais da faculdade ela o servia de vinho, exageradamente, e via rapidamente seu corpo amolecer, os olhos caírem e a expressão relaxar. Sua pose de professor sério estava dando lugar ao de homem livre. Foi quando ele já estava alteradamente sensual que o chamou para dentro da casa. Sentia um prazer especial em vê-lo daquele jeito, tão tocável e frágil. O que ela queria era despertar-lhe os mais intensos instintos masculinos, e com isso, fazer com que ele nunca mais a esquecesse. Essa era sua intenção primeira, mais importante que qualquer outra. Tinha fissura por desejos, muito antes de intencionar realizá-los. Ela preferia muito mais que ele apenas a quisesse. Adorava brincar com eles assim, tão de perto.
O que não esperava é que depois de tanto vinho, ele se tornasse incontrolavelmente selvagem, e o fato de desejá-la o deixaria sem limites. Muito ela lutou para escapar dos braços daquele homem tão fora de si. Viu então que sua posição de deusa não a fazia imortal, e mais ainda, a deixava tão suscetível.
Não soube mais viver sem a mistura de febre e cólera que gostava tanto de despertar nos outros. Percebeu que sua alma de deusa não poderia ser tão terrena, e não poderia ficar tão próxima de desejos incontroláveis.
Seu altar não era mais aqui.

Samantha Abreu

10 comentários:

Liza disse...

Que profundo heim Sami...adorei!
vc é uma artista nata...
Biju

Leo Bueno disse...

Já que o nosso papo foi musical, encaixe "Oh My Lover", da PJ Harvey, nesse texto e você tem a fúria da sua personagem bem retratada.

Gravei esses dias uma coleção da Cat Power. Tirei todos os discos lá das comunidades do Orkut, em links de arquivos zipados. Se você tiver paciência, vai conhecê-la e usá-la nas inspirações noturnas. É muito boa!

Beijo!

F. Reoli disse...

Rezemos por ela em qualquer que seja o plano. De joelhos...amém!!!
Delícia de texto!
Beijos

Diogo Lyra disse...

Uau, não sei te idolatro ou se fico com medo!!!!!
Estou de volta, com 75% de recuperação pós-carnaval, e muito feliz com nossas intimidades!!!!
Beijocas, ó mestra das prosas íntimas femininas...

Társis quase ereto disse...

WOW...

Selvagem, perdido, apaixonado, violento, irreal.

Existem momentos na vida da guente que a gente olha e pensa: WOW..

Rê Ruffato disse...

Amei o "alteradamente sensual"!!!
Gostei da intensidade... deu até uma certa inveja ;-)
beijos, sá.

Nao tem Sentido disse...

OLha, teus textos sao indiscutivelmente bons. estao entre os melhores das minhas leituras. Parabéns!

Ricardo Dalai disse...

saudade de comentar aqui
esse texto eu amei
definitivamente

otimo

bom te ver sempre agora

bjo querida

Fernando Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Medeiros disse...

" Adorava brincar com eles assim, tão de perto."

Gostaria tanto que esse "eles" fosse eu...

Adorei!

Meu blog: http://evolucaoltda.blogspot.com