terça-feira, 13 de março de 2007

Disfarce

Coloco meus óculos escuros
para não ver o chão em que piso,
chão que se estende
até os pequenos pés descalços
da criança bandida,
sem sonho de infância
nem cantigas de roda;
da escola, banida.

Cubro-me com esse chapéu
para não sentir o ardor desse sol
que resseca as terras
nordestinas,
do caboclo cansado
da luta e da fome
e do trabalho suado.

Visto uma máscara
Que me esconde dos homens
tão cheios de raiva
que só repartem
a dor.
Desejam dinheiro e poder.
Soberba,
que esmaga o amor.


Samantha Abreu
foto: Lilya Corneli

5 comentários:

F. Reoli disse...

VERSOS INversos de uma realidade controVERSA...
Beijos

Vozes poéticas na mente do Társis o forçaram e ele disse...

Não existe vida contemporânea sem hipocrisia. Se tirar sua máscara e andar na rua, vai mostrar seu rosto lindo mas estará desprotegida.

É assim que funciona.

Tirei minha máscara, comecei a me mexer pra longe das sombras e estou pagando o preço por isso. E as vezes o preço é alto demais.

Se aceitar ser você mesma e ir contra a hipocrisia terá de pagar o ônus disso.

Pense no que vale a pena.E faça.

beijo

Rê Ruffato disse...

escrevi hj sobre a arte de escrever e, sem dúvida, a senhorita está em outro patamar.
Lindos versos.
Beijos

fabrício fortes disse...

proteção aos olhos das visões indigestas..
gostei de te ler em verso..

Diogo Lyra disse...

o sertanejo, assim como samantha, é antes de tudo um forte!