segunda-feira, 25 de junho de 2007

The End

Não quero mais essa raiva
de te suportar ao sol
sendo cruelmente
sincero

não fale verdades
inaceitáveis
que ardem feito sal
feridas

Ópio, Morfina
Gelol, Sedalgina
pra não doer
tua ida, sentida

Torpor, rancor, a dor
clandestina
bandida
The end.


Samantha Abreu

8 comentários:

Priscila disse...

Olá, Samantha!
Poesia curta e profunda...adorei!!!
Vou add o link de seu blog no meu, ok?

Bjos
Pri:)

Diogo Lyra disse...

My only friend, the end...

Paulo Galvez disse...

Gosto mesmo do Paraná e, por enquanto, mais de Londrina que de Curitiba, rs. Abraços. A gente se fala.

4rthur disse...

Todo carnaval tem seu fim...

Nao tem Sentido disse...

se a poesia tivesse explicação, perderia a graça.... muito bom, como sempre....

Bjs!

Fabrício Fortes disse...

apaguem as luzes e fechem as cortinas...
belo poema

4rthur disse...

sumida!

T§ disse...

Poema bonito mas...
Sei lá, pra que Gelol se tem Morfina?

bj