quinta-feira, 14 de junho de 2007

Minha Viagem


Você desse jeito nem nota
minha nova cor de cabelo.
De olhos fechados,
sentada à janela,
sinto essa nuvem sob meus pés.

Enquanto a pílula nada,
eu flutuo.

Chego até sua vida
te vejo de perto,
e você nem nota
que roí todas as unhas,
gastei todo dinheiro.

Procuro de novo as pílulas,
para chegar até você.
Uma linha distante corta o laranja do verde,
raios do sol que aos poucos
serão banhado pela lua.
Assusto-me com isso,
tenho medo de viajar no escuro
que a noite traz em silêncio.

Corro para perto aos sustos,
e você não nota,
meus olhos vermelhos,
meu corpo tremendo.
Achei que era medo,
mas vi o frasco vazio,
perdi a conta das pílulas,
e me joguei no seu mundo,
assim, de uma vez, mais uma vez.

Você reparou quando caí,
da nuvem flutuante
que estava sob meus pés.
O barulho foi grande.
estraguei o seu dia,
atrapalhei o cinema.

Overdose é sempre assim,
Mas eu te faço um poema,
Prometo.



Samantha Abreu
foto: Lilya Corneli

7 comentários:

Fabrício Fortes disse...

magnífico, samantha..
um poema DE FATO.
quando me dei por conta, estava quase envolto em pílulas coloridas..

Linda Graal disse...

Porra sasá!!!!!!!!!! o que está tomando?!?! meu deus!! alcançou tudo o que queria e eu não cheguei ainda...espere...um dia encontrarei as palavras...prometo!

brain of J disse...

Me fez mais forte, esse teu poema...

Me senti mais gente...

Ludmila Barbosa disse...

Olha, gostei dessa overdose diferente que a gente sempre tem - uma hora ou outra. Curti teu blog, demais, nem lembro mais onde achei, mas o importante é que achei.
Um abraço!!!

junior disse...

Olá! Obrigado pelos elogios. E pela visita. Também gosto daqui, tanto, que assim que der, vou te linkar.

Abraços e uma boa semana prá você.

Juno

http://junofoster.blig.com.br

Roberta disse...

Absolutamente tocante...

Diogo Lyra disse...

Ela caiu, beijou o solo e da boca dele apenas um sorriso nervoso...