sábado, 2 de junho de 2007

Segredos

"Os males do mundo toda a gente sabe!
Os meus... ninguém...
A minha dor nao cabe
Nem nos cem milhoes de versos que eu fizera..."
(Florbela Espanca)

Um comentário:

Diogo Lyra disse...

E o pior é que por maior que seja a dor do mundo, a nossa é sempre a mais terrível. E padecemos com ela, dia-a-dia, no anonimato do desdém alheio...
E como se fosse uma "síndrome de Atlas", carregamos o peso do mundo nos ombros, que cansa e não se sabe carregado, também, por outro, e outro, e outro, e outro...
No fim já não se sabe quem carrega quem e suporta o peso infindável da pura e simples (por vezes patética) existência...