segunda-feira, 16 de julho de 2007

Confissão

Quando eu me aproximar, alguém sairá correndo por essa porta. O rosto desfigurado pelo medo, pelo desespero e arrependimento.
Poderei ver pela fresta um corpo de mulher caído ao chão. Ela terá desmoronado após as sete facadas no peito, cravadas com raiva e ciúme. Poderei ainda ouvir uma discussão calorosa, os gritos e o ardor do hálito nervoso daquele casal que ontem ainda se amava. Ele não saberá até então que dentro dela, um filho tentava dar continuidade ao que ela almejava pôr fim.
O assassinato terá sido o ápice da revolta por tanta rejeição e traição, que ele só tomará conhecimento depois que ela lhe contar sobre o amor que sente pelo novo estagiário do escritório, e desabafar como se sente jovem e viva ao lado dele. Não terá mais vida ao lado dele.
Ela só terá coragem de confessar a verdade depois que ele, chorando, vestir a máscara do conformismo planejando manipulá-la para descobrir o real motivo do fim. Bem que ele tinha notado algo diferente...
Ela tinha acordado decidida logo pela manhã, ainda ao lado do outro, o novo. Saiu de casa apreensiva e o beijo não tinha sido de adeus. A despedida era para até logo. Ainda não sabia da gravidez, não sabia da morte, não sabia do monstro que iria enfrentar. Nem imaginava.
Mas quando eu me aproximar dessa porta, depois de voltar do banheiro com as mãos já lavadas, ainda poderei ver uma sombra assustada. Sei que verei eternamente esta sombra, que me persegue desde o momento em que saí apavorado dessa sala.
E todas as vezes que eu me aproximar dessa sala, verei corpo dela, estirado. Ela morta e nunca mais de ninguém.


Samantha Abreu
Foto: lylia Cornelli

15 comentários:

Cin disse...

Puxa que forte! Vc escreve muito bem.
Bjos e linda semana!

Jana disse...

Acho que quando nos apaixonamos uma parte de nós precisa morrer para renascer

Beijos

garrafa e mar disse...

Isso q é blog artístico! minha nossa! preciso voltar e ler com mais calma. segunda de manhã com sol forte, atrapalha. um grande abraço.

André Gonçalves disse...

adorei tudo aqui.

Diogo Lyra disse...

Sombrio...

Jota disse...

Viver é estar-se em constante rota de colisão com o inesperado.

Jota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
*¢£@üD!NhA''' disse...

Tão real em entrelinhas dos fatos que observamos... de modo, é bem fato.

Ótimo.

;***

Mila disse...

Isso é só o começo do próximo.
Porque a gente tem que ranascer de algum jeito...

PS: Sua preguiça tava engraçadaaa!

Claudia Blue disse...

Vc escreve muito bem,,,,Vi que tem um link do site Garganta da Serpente.. vc escreve lá?
Gosto muito daquele site...bjo blue

http://noelevador.zip.net
http://nabolsadamulher.blogspot.com

ricardo disse...

nossa gostei do modo q vc desenvolve o texto...tb escrevo algumas coisas no estilo... mas só pra mim mesmo...e pra alguns amigos loucos q gostam de ler... gostei muito mesmo...to vendo o link da garganta da serpente... vc publica lá??? as vezes dou uma passada por lá pra ler coisas novas... beijosssss

http://noelevador.zip.net
http://vidacretina.zip.net

Priscila disse...

Olá, Samantha!!!
Mais um belo texto, heim? Parabéns!!!

Bjos

André Luis Sant'Ana disse...

mais um texto para a lista "meus preferidos" ^^

Daniel disse...

Adorei o seu blog... já pensou que isso vai dar em livro?

Ok, visite o meu (se quiser) http://malucoerrante.blog.terra.com.br
Beijão
Dan

Tyler Bazz disse...

MUITO BOM!!!