sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Sonhos de Criança


Aquele corredor, entre os muros que ligavam o quintal ao portão pela lateral da casa, lhe era assustador. Era um corredor cheio de seus fantasmas.Todas as vezes que saía na porta para seus afazeres diários, parava por alguns instantes e se perdia, olhando para ele. Era, sempre, assombrosamente tomado por aqueles pensamentos. Nenhuma força que fizesse para evitá-los era suficiente, então, ao se entregar, fechava os olhos.

Via-se passando pelo corredor, a passos lentos. Era tão criança que, quando olhava para cima, a altura dos muros os faziam intransponíveis. Suas ilusões de criança eram criadas ali. Corria o dedo pelas laterais e sentia a aspereza dos tijolos sem acabamento. Ainda de olhos fechados, ia seguindo, um pé na frente do outro, e os dedos acariciando aquelas paredes, relembrando com melancolia aquele espaço que já tinha sido só seu. Seu corredor de ilusões lúdicas. Para ele, criança, era ali que nasciam seus sonhos e que, mais tarde, ainda seriam sua essência louca de homem adulto.

Agora estava ele, envelhecido pelo tempo, acordando e encontrando-se parado, mais uma vez, frente àquele lugar. Mas o significado daquele corredor, agora, era outro: era assustá-lo e possuí-lo por demônios que lhe seguravam pelas pernas enquanto passava, lúcido, a passos urgentes. Aquelas sombras lhe atormentavam com toda sua frustração de criança podada.
Seus sonhos infantis não tinham sobrevivido à sua alma adulta, de aspecto ríspido e semblante vencido. Sonhos de criança assombram quaisquer pessoas normais.


Samantha Abreu
foto: desconheço o autor

13 comentários:

*¢£@üD!NhA''' disse...

E me repelem de usar palavras tão belas e suaves (intimistas ao extremo) como estas.
Tua escrita nunca me deixa decepcionar ou me perder.
Sempre... lindo demais!

;****

(Seus elogios sempre me lisonjeiam...obrigada! ;)

Jota disse...

Sonhos de criança são os mesmos sonhos de adulto. Só que sem a carga de decepções que a gente traz ao longo da vida.

Eu acho.

Tudo bom contigo?

Jota disse...

Adorei o layout novo!

Gostei muito mesmo!

Meio altiva, meio decadente, cabelo assanhado, cigarro pendendo da boca, uma afirmação da vida e uma cuspida na cara dela ao mesmo tempo!

Gabriela Souza Gomes disse...

E quando encolhidos, os corredores parecem maiores ainda.

Fabrício Fortes disse...

belo texto, samantha
eu penso que sempre há um muro.. o que muda é o modo como nos relacionamos com ele

Jana disse...

Me lembrei da casa da minha infância, tinha um corredor parecido, me lembro que morria de medo de andar ali a noite..

Beijos

Marília Silva Tavares disse...

Nossa... e não é que eu já sonhei com esta foto que vc usou! Desci depressa para ver de quem é e não tem autor... que estranho, arrepiei!
É muito triste quando sonhos infantis são esquecidos ou reprimidos. Lindo texto, como sempre!
Beijos

armando roda disse...

Voc� est� cada dia mais perfeita e mais linda.
Passar por aqui � ter certeza que o mundo ainda � belo.

Beijos
Armando Roda
roda2804@hotmail.com

Tuka disse...

Sempre mantemos o nosso estoques de fantasmas em algum lugar de nossa história...

Carol Rodrigues disse...

eu me pergunto, ás vezes, onde foram parar os meus sonhos de criança...

alguns cresceram comigo, outros eu não sei
acho q fugiram de casa

bjos

Mila disse...

Afff... ultimamente durmo e não lembro dos meus sonhos. Se é q vc me entende.

Priscila disse...

Olá, Samantha!
Adorei este texto, muito bacana!!!
Ah, tem conto novo no Intelecta, visite qdo puder, ok?
Bjs
Pri.

Ricardo Dalai disse...

gente
vc eh meu orgulho
preciso de adorar
sinto isso
rs

lindo demais
sempre
quero q vc leia meu livro antes de eu manda-lo para o concurso da ABL

bjo amore
te cuida