quinta-feira, 15 de novembro de 2007

INTUITION

.
Sempre que eu começava a gostar de alguém, alguma coisa me dizia pra deixar os esforços de lado.
O tal amor não vale a pena. Não vá às penas, babe – dizia minha intuição aguçada.
Todas as possibilidades de felicidade ficaram em algum canto empoeirado do passado. Desde então, tornei-me viajante do tempo e as palavras não me alcançam mais. Sei, antes de qualquer indício, quando algo dará errado. Aprendi a enxergar o que existe por trás das aparências, além do óbvio e mais do que se mostra.
.
Não me diga o que fazer, não tente me convencer. Tenho o sexto sentido de almas mudas.
Por isso, meu bem, não diga nada.
Aprenda a se fazer satisfeito com o que pode sentir.


Samantha Abreu
.
.
texto publicado na 19ª edição do "Escritoras Suicidas"
.
.

13 comentários:

Curupira disse...

Passei por lá e acabei chegando aqui.
Sou meio confuso, tenho cá minhas duvidas sobre o amor...
E andando daqui pra lá não me acho perdido
tentando encontrar...
Gostei de ler seus textos e vou voltar outras vezes.
Espero não parecer tão intruso.
Sou Sandro, lá de Tombos e prazer em conhecer-te em versos.
Mais ocê é um tanto de gente, né?
T+

jucosfer disse...

intuição é fogo.
a minha, por exemplo, berra aos meus ouvidos, invade meus sonhos. E enquanto eu não a obedeço ela me atormenta.
é fogo.

cra disse...

mesmo

Ana disse...

Mulheres têm intuição forte. O problema é que a maioria de nós não sabe ouvi-la, sequer respeitá-la.
Beijo
Ana
www.mineirasuai.blogspot.com

Caito disse...

Esse sexto sentido se ensina?!?!

Caito disse...

Se sim, quero aprender.

Salve Jorge disse...

Lá esta a moça
A vislumbrar o mar
A fazer troça
Daquela água a oscilar
Não que ela não possa
Falar que é uma joça
E preferir adivinhar
Antever o que virá
Pois é pródiga na arte de se antecipar
Além do alcance das palavras
Ser de habilidades raras
E mudez cara
À quem deve aprender
Se não seu jeito de ser
O saber ler no próprio sentir
O que está por vir
Sempre difícil de definir
Mas que a faz voar
Ganhar o ar
E lá do alto
Rir do mar
Ah, mar...

Juliana G. Mello disse...

Sempre digo as pessoas que o que vale não é o que a pessoa aparenta ser, e sim quem ela é verdadeiramente. Digo sempre que não vale a pena arriscar algo sem ter a certeza de.
Ninguém me entende...
Até que enfim um texto que "pense" como eu! rs

OBS: Muuuuuuitas saudades desse cantinho! Sumi, mas voltei. Infelizmente o tempo não tem permitido que entre sempre ;(

Beijos, Sa ;)

*¢£@üD!NhA''' disse...

Calorosidade invejável moça!

Pior que basta um olhar desordenado, sem muita concentração intuitiva que odesliz vira paixão. Rimas aproximam a combinação da confusão.

Mas não deixa nunca o ser despermitido.

;)

Beijos enormes querida.

André Luis Sant'Ana disse...

queria também ter..
um beijo, e parabens por escrever tao bem ^^

milene portela disse...

impressionante é isso: vem uma escritora boa e diz aquela sua profusão de mil pensamentos e sentimentos em 8 linhas! putz!
perfecto, perfecto!
digno de um palavrão de boca cheia de intuição não seguida: PQP! rsrs

boa, samantha, mto boas essas linhas!

bjuuux

Fabrício Fortes disse...

"sexto sentido de almas mudas".. isso remete a algo como o não poder expressar algo que está aí..
bom texto, samantha

Carol Domingues disse...

Iiiiiiiii, eu estou numa fase em que o amor nunca fez menos sentido...