sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Porque é tudo tão incerto...

"Ah, meu Deus...o beijo. Joana entrou naquele quarto de motel feito uma cega, linda e esquiva - lambia pelas diagonais para achar e/ou se apoiar em alguma coisa que não estava ali, me envolveu com um beijo que não existia (que até hoje procuro entender...) mas que certamente serviu para me puxar e ao mesmo tempo para esquivá-la, imagino, desse mesmo lugar incerto ou "coisa lambida"... aí fui arrastado, queria saber se ela, Joana, era "de verdade" e ela me respondeu com cabelos lisos e não fez nenhuma questão de dissociar a "verdade" da "mentira" posto que ela mesma era uma invensão ou um desdobramento meu que me fugia, vale dizer, eu não alcançava sua língua, no entanto, o repuxo era mais forte e arrastou tesão e desentendimentos para a cama..."
(de 'Joana a Contragosto', Marcelo Mirisola)
.
.

Um comentário:

Anônimo disse...

Uau!!!

Eu acho que esse é o melhor livro do Mirisola. Queria ser a Joana rsrsrsrs

bjos,Krika