quinta-feira, 27 de março de 2008

da minha jornada...

Ando tentando ver um céu cheio de cores e da tal abonança que tanto se fala. Sou insistente e teimosa, mas quando o caminho que sigo está cansativo e cheio de pedras, tenho uma incrível capacidade de tomar outros que nem eu sei onde vão dar. Gosto dessa corda em que me equilibro. Gosto de olhar dela, lá pro mundo, e sorrir. Mesmo com muito medo de cair. Caminho o quanto for preciso, mas só consigo fazer isso se eu tiver a oportunidade rir, de rir e de rir, demasiadamente: de mim mesma ou dos outros, tanto faz. No final das contas, o que me importa é a intensidade da gargalhada.
.
.

6 comentários:

Cabraforte disse...

isso é uma das minhas filosofias de quando fico um pouco alcoolizado.

Só me faça rir digo aos amigos, quando o problema e muito grave não adianta se desesperar, é dar tempo ao problema e esperar uma solução cabivel. Gosto do sabor da feliciade e sempre que perco seu cheiro e seu sabor eu tbm fico amargo, por isso sempre prefiro falar de coisas alegres e viver em torno dela!

bj

4rthur disse...

e o sorriso na foto ao lado não te deixa mentir!

beijo de pimenta.

Fred Mitne disse...

se tu me ver rir dessa maneira... nao vai pensando que eh felicidade nao hein?!?!?!? eh puro desespero.. hahahahahahahahaha...

PS: como diria um amigo meu lah do Sul..." fudido por fudido... fudido e meio... vamos bebemorar!"

Luciane Oliveira disse...

Sim! O q importa é a intensidade da gargalhada! Adorei isso...

E vamos falar a verdade, vivo equilibrada também sobre uma frágil corda... Ai, vida cheia de vontades! Adoro tudo o que escreves também, moça das pimentas, refresco nas minhas feridas!

Beijos.

Polly disse...

O que vale mesmo é a intensidade das gargalhadas!!!

Mesmo que em corda bamba, mesmo com todos os riscos, viver é mesmo delicioso...não tem como duvidar disto.

Beijos, adorei!

Oliver Pickwick disse...

Concordo inteiramente. Equilibrar-se sobre a corda, por si só, nos leva a um estado feliz. E, ainda por cima rindo, é quase como alcançar o nirvana.
Beijos!