sábado, 17 de maio de 2008

Insônia


Não é sonho. É insônia.
Estou imersa em uma banheira
e, daqui debaixo,
vejo tuas imagens
deformadas.

Tuas ondulações, artificiais,
teus gestos, lentos.
Quando notas que sufoco,
ameaças,
um puxar de mãos.

Se me agito,
enrosco em meus cabelos.
Sinto os dedos enrugarem,
meu corpo, minha alma,
envelhecidos.

Não consigo desafogar.
Atolei no lodo, no fundo.
E a água tão suja me impede
de beber
as próprias lágrimas.
.
.
.
Samantha Abreu
.

29 comentários:

Camilinha disse...

ai, ai... sai daí, menina.
porque tristeza também vicia...

beijos daqui...

Paulo Bono disse...

porra. tua isônia vira poema. a minha essa noite virou uma dor de barriga desgraçada.

abraço, Samantha

Cássio Amaral disse...

Insônia inspirada. Gostei da construção do poema.

Beijo.

Fred Mitne disse...

hummmmm... prefiro seus poemas de amor e liberdade... seu coracao eh muito belo para se afogar em tristeza.


bjo!

Polly disse...

Confesso que não combina com você...nem comigo, mas esta última estrofe ficou belíssima!

Beijos, boa semana!

Calebe disse...

Adorei, menina. Poesia vertendo sangue no papel - na tela de meu monitor...

(Você conhece Ofélia, de Rimbaud, Ofélia, de Shakespeare? Então.)

Beijo doce em você, em seu sangue em palavras,

Calebe

Por onde vou... disse...

Tem tanto de mim em seus versos
...dramática...poética...
Sempre que puder...estarei por aqui!

Clara Mazini disse...

Todos deveriam ter o direito de beber as próprias lágrimas.

Beijos, querida! Como sempre, tudo lindo por aqui...

Salve Jorge disse...

Eu vejo a barreira
Pra alguns parece besteira
Mas sei como é firme
E que não é a primeira
Mas também não é a derradeira
Ela só existe
Na justa medida do seu aceite
Então não é solução
Se você insiste
Ou resiste
É melhor manter dentro um deleite
E será como azeite
Te livrando dali...

Jana disse...

que desesperador isso...

beijo

F. Reoli disse...

A poesia mais deliciosa é sempre aquela das auras mais tristes. Não sei se é o castanho do céu de outono mas lágrimas e saudade é sempre um tema muito pertinente nessa época. E você sabe descreve-lo como poucos... Beijos

♥ Camila disse...

não existe nada pior do que insonia né?!


EU TINHA DIRETO...
e descobri que era problemas demais!

4rthur disse...

putz, me deu uma sede...

beijo, Sá!

lyS disse...

Seria tao mais feliz se minhas insonias virassem poemas...
Bjos

Oliver Pickwick disse...

A poesia da crônica urbana real, ou seja, a própria vida de todos nós. Vezes, intensa demais. É a Samanta de sempre.
Um beijo!

Thiago Quintella disse...

Amarguras dos sonhos quando deveriamos estar sonhando em vez de acordados. Uma insônia que não me pareceu noturna. Que angústia!
Belo poema!

Sunflower disse...

tudo que ela escreve é lindo, ate a tristeza é uma tristeza bonita.

Grazielle disse...

e na agonia de não dormir fez-se versos... porque não poderia ter feito nada mais perfeitos(Fazia tempo que eu não vinha aqui... mas o tempo estava em falta!)

Gabriel disse...

Sabrina!
caramba. Sensacional esses escritos aí. A foto ali do lado, fora do comum, muito legal. Me lembrou o Jim...

um beijo

Cin disse...

Vim avisar que estou de volta e espero que a tristeza seja apenas do texto.

Bjinhos!

*¢£@üD!NhA''' disse...

O lindo na sua completude não varia. E prossegue nas tuas mãos. nas linhas, de tuas mãos.

É muito bom estar de volta!

Beijões!

D'angelo disse...

Atolei no lodo, o passado ás vezes é isso.

Bjo.

D'angelo disse...

Atolei no lodo, o passado ás vezes é isso.

Bjo.

Three Love's disse...

ai...
que sufocante!

alguns vezes desesperadas também "não consigo desafogar".

b.e.i.j.o.s.

Sérgio Luyz Rocha disse...

...não é sonho, nem insônia, nem ficar acordado vigilante esperando que de algum modo a sujeira vá pelo ralo..não é nada (além do afogamento)..
Acertou de novo, garota...

FINA FLOR disse...

tenho certeza que vais surgir da lama, como a lótus, bela.

beijos e boa semana

MM.

ps: ando sumida por conta do Sol na Boca, você sabe.... Viu as fotos?

Claudia disse...

Lindo, lindo.
Um sentimento ímpar.

Germano V. Xavier disse...

O não conseguir vento.
Dor de construir o desvão.
Alma sem álamo.
Floresta: perdidos.

Poema é bom e eu leio.

Abraços de sempre e sempre, Samantha!

Germano
Aparece...

Clayton disse...

Mergulho com gosto de sal.

beijos!