sexta-feira, 9 de maio de 2008

Lançamento da Trapiches!

A Revista Trapiches de Cultura e Arte promete revolucionar o conceito de leitura e pesquisa cultural na Internet. Com um estilo visual forte, instigante e moderno, Trapiches será biscoito fino pra comunidade artística cultural que abusa das maravilhas da Internet pra dissipar a arte, propriamente dita , nesse Brasil tão carente de cultura e modelos culturais.
.
A Equipe do Projeto Macabéa, espalhada pelas sucursais Recife, Salvador, São Paulo, Belo Horizonte, Londrina, Porto Alegre, Brasília, Monte Santo de Minas e Inglaterra, entrega pro mundo digital seu rebento na certeza de que dá o primeiro, largo e pontual passo em prol da causa da defesa do processo de propagação da arte sem compromissos com modismos e com a indústria cultural desse país, preocupada em publicar o vendível e não o fecundo.
.
A Trapiches nº 1 traz em seu conteúdo 22 matérias divididas em 7 seções. São entrevistas, vídeos, crönicas, prosa e poesia, história, etc.
A Revista apresenta também a EXTRAPICHES, a seção “extraordinária” de Trapiches, com CAIS (Capitania Geral de Blogs) e suas 10 indicações dos melhores blogs da blogosfera; o 1º Concurso Literário da Revista Trapiches, com o objetivo de revelar novos talentos e promover o leitor a colaborador da revista e MACABELAGEM, o blog literário do Projeto Macabéa.
É OURO PURO!
.
Divirtam-se em : www.trapiches.com.br
.
.
Confiram a entrevista que fiz com Douglas Diegues, o precursor do Portunhol Selvagem, e a matéria sobre esse movimento literário.
.
.
Venham! Venham!
.

6 comentários:

Alê disse...

Salve! =]

Edson Marques disse...

Samantha,

gostei muito deste teu blog!

"Mãos de Medusa": adorei!


/// Abraços, flores, estrelas..

Sérgio Luyz Rocha disse...

Oi, Samantha, tudo em paz??
Pois então, passei pela Trapiches - leva um jeitão de coisa boa - mas ainda não parei, quer dizer, parei na entrevista que vc. fez com o cara do "portunhol selvagem" - olha, sendo bem sincero...acho que não assimilei muito bem a porrada...não consegui encontrar nenhuma perspectiva que já não tenha sido levado a cabo como em Guimarães Rosa e sua língua sertaneja, ou Osvald de Andrade e suas experimentações que traziam "caipirismos" para a cidade grande e, enfim...aqui no nordeste tinha um cara muito bom nessa estória de "inventar língua -Zé Limeira -já ouviu falar?
Devo me convencer de algo? Devo acreditar que, de fato, far-se-á uma literatura para "brasiguaios"?

Bejuprocê!!

Camilinha disse...

vou lá dar uma olhadela, achei o lindo o flyer...

beijos daqui...

F. Reoli disse...

Além de ótima escriba, uma ofertadora de excelentes dicas... Trapicharei!!! rs
Beijos

Oliver Pickwick disse...

Visitarei o site da revista.
Um beijo!