terça-feira, 29 de julho de 2008

Oblíqua Cor

.
Pela frente todos se entregam. E me olhava tão através que nenhum pronome me fazia possessiva de mim. Atravessando-me, as cores entravam com ele. Em segundos, ele passava do peito às costas. E saía, deixando dentro de mim uma aquarela difusa. Certa vez, até confundi com as cores do amor [O mundo é azul, qual é a cor do amor?*]. Era assim: o fascínio estampado, fazendo com que, por algum tempo, eu fosse uma das tais garotas coloridas, com um sonho em cada tom da paleta. Hoje, nada mais me atravessa. A tinta não atravessa, a garota não é travessa, e o arco da íris é apenas a vida submersa em preto e branco.


Samantha Abreu
foto de susan burnstine

24 comentários:

Calebe disse...

Não estou pronto para esse texto: para comentá-lo, digo. Mexeu demais comigo. Muitas coisas a dizer. Ou muito a se contemplar. E eu o farei. Primeiro o contemplarei. Depois, se possível, transformo minha contemplação em palavras.


(Que textinho mais piega aquele que postei na Abstraktus, né? Mas, olha, gostei de seu comentário. Me fez pensar agora que o lance de ser entendido é mesmo algo além, e, tipo assim: nem nós mesmo nos entendemos consigo próprio. Isso o tempo quase inteiro. Né?)

beijo

Cin disse...

Porque será que a gente vai se descolorindo ao longo da vida?
Lindo texto!
Bjos!

Polly disse...

É importante ter uma lata de tinta em mãos, pra gente se colorir durante o percurso...que nos desbota como roupa lavada e esturricada ao sol.

Sérgio Luyz Rocha disse...

...colorir seria preciso?
...sinto muito, Samantha, mas se for pra continuar a escrever assim, prefiro a "vida submersa em preto e branco"...
Lindo!!!

F. Reoli disse...

Tudo "noir"... as vezes fico assim, mas logo acontecem novas pinceladas, outras cores e paisagens... você é uma mulher que enxerga nunces. Beijo.

Grazielle disse...

A vida em preto e branco tem seu charme, mas é triste, triste!

Rodrigo Carreiro disse...

Eu acho o amor em preto e branco belíssimo. Sempre penso assim...

Paula Bastos disse...

Nossa, Samantha, que lindo texto! Realmente, como algumas pessoas disseram acima, a vida em preto e branco é triste, mas tem sua beleza. O colorido nem sempre é tão fascinante como parece. Creio que precisamos passar pelas cores, pelo duocromático e pelo monocromático para podermos realmente enteder o cada cor significa pra nós!
Beijos

Rackel disse...

Branco e preto?! Tem mesmo que ser assim?!? Vc não sente saudades daquela garota com sonhos coloridos, não?! Eu sentiria...

Na verdade acho o o P&B um pouco triste... quando me desbotam, procuro logo uma cor q me vista um sorriso...

Pode parecer infantil, mas gosto muito do ato de colorir e, por isso, procuro dar umas pinceladas em tudo q encontro em estado P&B por aí...

=)

Elenilson Nascimento disse...

Olá, estou aqui para convidá-lo a conhecer a LITERATURA CLANDESTINA:
http://literaturaclandestina.blogspot.com/
Conto com a sua presença por lá . Um abraço Elenilson

Cláudia I. Vetter disse...

Encontrei-o n'alguam película de mim.
Muito bonita Samantha!


;**

Bianca Feijó disse...

É, com o tempo as cores ofuscam...
Mas sempre por um determinado tempo existe uma cor que se destaca, mas só por um tempo, depois tudo volta a ser preto e branco.

B.E.I.J.O.S

douglas D. disse...

é preciso voltar mais e mais vezes aqui, respirar as coisas daqui
e sair outro...

Sunflower disse...

a mistura de todas as cores ou a ausência absoluta delas é o amor das pessoas intensas. Deus que me livre oferecer algo em cinza em todas as suas tonalidades.

beijaaaa

Mila disse...

Samy, saudades. Estou voltando aos poucos, indolor, sabe.
Acho que a cada mudança, torno a me colorir. Ou será que é fingimento?

Sunflower disse...

há, meu blogue te reconheceu como Londrina, Paraná. Garoto esperto.

beijaaa

alvarêz dewïzqe disse...

Versos em prosa... Ótimo! E mesmo essa tristeza me fez sorrir, pela forma.

jupyhollanda disse...

maravilhoso texto. ando tão correndo que não consigo mais fazer nada direito. saudades das nossas "trocas".

Bjo

Ju

Jucosfer disse...

derrama o balde de tinta de novo e colore.

F. Reoli disse...

Saudade docê....rs

FINA FLOR disse...

menina que texto lindo!!!

você está escrevendo cada vez melhor.

muito bem finalizado.

beijocas

MM.

FERNANDO disse...

Lindo, Samanthinha, lindo! Mas o que me impressionou foi acerca da cor. Preciso contextualizar.

Eu diria que a cor do amor é realmente uma aquarela. Mas não é difusa.

Agora, se a cor que ficou quando foste atravessada foi o vermelho, então é paixão. E sim, o mundo é azul, mas a amizade também.

Em tempo: a aquarela difusa pode ser uma amizade colorida.

Aline Aimée disse...

Maneira belíssima de tratar dos sentimentos. Eu vivo pela aquarela difusa, fugindo entre as barras do preto e branco. Por isso, amei o seu texto!!!

Neiva disse...

ainda continuo perdida... meu arco-iris foi embora, ao menos o mundo colorido que ele mostrou pra mim... e me sinto completamente absurdada de como vc pôde saber de tudo isso... te conheço?