sábado, 5 de julho de 2008

É tão bom...

Eu me pergunto se algo pode ser tão intensamente dolorido e, ao mesmo tempo, tão imensamente prazeroso do que ler Anaïs Nin, escutando isso.
Tente:
.
The Hours - The Poet Acts

.
"E você...ora, você coloca as coisas com tanta clareza para mim... tão cristalinas... que parecem simples e verdadeiras. Você é tão terrívelmente esperta, tão inteligente. Desconfio de sua inteligência. Você faz um tipo maravilhoso, tudo está em seu lugar, parece claro, claro demais. E nesse meio-tempo, onde está você? Não na superfície clara de suas idéias, mas já mergulhou mais profundamente, para regiões mais escuras, de forma que se pensa apenas que se recebeu todos os seus pensamentos, imagina-se apenas que você se esvaziou naquela claridade. Mas há camadas e camadas... você não tem fundo, é impenetrável. Sua claridade é ilusória.
(...)
Fiquei docemente adormecida por alguns séculos, e estou em erupção sem avisar. A dureza em mim, uma quantidade inextinguível, lentamente se acumulou através dos esforços que fiz para subjugar a voracidade do meu ego."

(in Henry & June, 1932)

3 comentários:

CACHORRO VADIO MORTO EM NOITE CHUVOSA disse...

Demais!
Samantha, como é que se coloca música no blog?

*¢£@üD!NhA''' disse...

Sem dúvidas.

Sunflower disse...

Respondo tua indagação com outra citação

"She felt very young; at the same time unspeakably aged. She sliced like a knife through everything; at the same time was outside, looking on. . . .far out to sea and alone; she always had the feeling that it was very, very dangerous to live even one day."

Mrs. Dalloway