quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

A cama sem Gilda

“Os homens dormem com Gilda,
e acordam comigo.”
Rita Hayworth
.
Fiquei por tantos anos vivendo histórias das minhas divas no cinema, que passei a desconfiar que meus homens também dormiam com Gilda.
A neurose do ciúme acabou com todos os meus relacionamentos. Foram oito casamentos ao todo. Todos destruídos por brigas, discussões e ciúme. Fui até acusada de levar pra cama – eu mesma – outras mulheres. Não posso negar que em minhas fantasias isso, de fato, acontecia.
Tempo perdido.
Hoje, prefiro viver ao som de As time goes bye e dormir, todos os dias, ao lado de Humphrey Bogart.
Minha vida acontece no escuro, sem lanterninhas.
.
.
Samantha Abreu

13 comentários:

L. Rafael Nolli disse...

Nada melhor e mais capacitado para acabar com o casamento e a saúde mental do que o ciúme! O melhor a faze é mesmo expulsar os lanterninhas do cinema e dormir com o galã!

Erica Marie disse...

Forte, revelador e intenso!!!

Lindo como tudo que escreves, parabéns!!!!

D'angelo disse...

Somos assim mesmo, sabotadoras.

Thiago Quintella disse...

Deita na cama e leva muita fama!

Laylana disse...

Profundo...revelador..intenso.Vou add seu blog nos meus favoritos.Espero que passe no meu.Beijo

Solin disse...

hmmmmm
Ava Gardner *.*

mas só um aviso: ngm consegue viver bem mto tempo sem fantasias.
não dá, sabe?
faz parte de amenizar algumas coisas.
´na dose correta.

Carolina Bedin disse...

Sublime. Impactante.


Tolice a minha achar que os monstros da literatura havia todos morrido, ainda se pode encontrar alguns por ai. Ainda bem.
Beijo.

Flávia disse...

Os homens dormem comigo, e acordam com Gilda.

Beijosmeus :)

Polly disse...

Saudades daqui!
Beijos,

Polly

Paulo Bono disse...

é estiloso, mas parece uma descontrolada.
abração

anjobaldio disse...

Texto muito lindo.

On The Rocks disse...

Demais!

Você é mesmo uma das minhas.

Bj

BAR DO BARDO disse...

é assim mesmo. me criaram, p.ex., uma fama de gay, que eu só sabia quando a galera me atacava. e eu ainda era educado: cara, você é até bacana, mas o meu 'negócio' é mulher...