sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

No Espaço do Não Limite

foto de joe gantz
.
Ele me chamou pro jogo, e eu sem a rainha. Ligou o som, virou-se pra mim: ‘Give me one reason to stay here and I'll turn right back around’. Mal sabia que eu já estava outorgada e não via outro motivo, além disso já ser um motivo, para convencê-lo a ficar. Eu nada tinha a oferecer a não ser umas curvas arredondadas e escorregadias até pra pneus de chuva e algumas frases feitas. Apenas uma garota clichê, com sorrisos prontos e músicas pop. Mas tudo que eu precisava naquele momento era que ele me desse uma experiência através dos riscos nas paredes e explosões não terroristas. Sem nomes, meu amor, detesto nomes, disse o Marlon Brando. Era dele o tabuleiro, mas não me negava a brincadeira e me cantava com ‘because I don’t want to leave you lonely’.
Exato, esse é o ponto.
Quando levantei, ele já me tinha pelas mãos na cintura. O embalo era tão sísmico que me abalou aos tremores não mensuráveis. De olhos fechados, eu não respondia mais por movimentos, atos ou copos no chão. Sentia o balanço e o preenchimento de todo meu leave me lonely. A cabeça pendendo sobre nós no centro-limite em que um corpo ainda não era outro, embora nós já fossemos apenas um no universo, não no coletivo e infinito, que também é mundo, mas naquele nosso, bem mais mundo que todos aos quais poderíamos pertencer.
Perdemos o tempo do tempo. Nos enrolamos no chão até que nosso mapa mundi fosse do meu ao dele em apenas um oceano de suor e vulcões-poros em plena erupção.
Estava ali, no tapete, he’s reason to stay. Você consegue ver - ele disse - que onde me começo te termino e que não há mais espaço para ser você mesma em você? Não me saiu um sussurro sequer. Dizem que esse é o silêncio-sinal.
Foi ali, bem ali, que percebi.
.
.
Samantha Abreu

16 comentários:

Natália Nunes disse...

"he’s reason to stay."

oh god.



olá, samantha!
obrigada pela visita no INCENDIÁRIO, adorei!
fico feliz que tenha gostado das imagens lá na Diversos. eu tb gostei haha.

eu tenho a sensação de já ter lido vc em algum lugar........


gostei daqui!

beijo.
:)

Linda Graal disse...

coisa mais rica, Sá!!!
uau! estou sem fôlego...
deve ter sido estupendo ouvir "Você consegue ver [...] que onde me começo te termino e que não há mais espaço para ser você mesma em você?"...
excelente construção...tudo no lugar certo ou em lugar nenhum, ou dentro de dentro de dentro do fundo da tela... ;)

besos, guapaguapa

The Hi-Brazilian Blogger disse...

Quântica experiência neste baile em que as máscaras vibram em frequências infravermelhas...

Paulo Castro disse...

Quando as coisas esquentam, lá se vão caras e bocas e frases de efeito pra se parecer com aquilo que nos pintamos a defender no espelho. Até do espelho em sua face não visível, a parede rachada e o abcesso no rabo.
A gente fica bobo e boba e aí de quem não fica. Trepar com um manequim das lojas Marisa ( de mulher pra mulher...)ou amar os pontos que os filmes franceses dão nos rasgos nossos.
- Vamos tomar um café em casa, depois ?
Xi, começou mal.
O paradoxo do gozo e a alimentação canibal pernas trêmulas é: para não ser bobo(a) tem que ficar boba(o).
Lasca de parede ventral na chulapa.
BeIIIIIIIIIIIIIIIIIIIjos.
Paulo.

http://vazamentosdevapores.blogspot.com

º

Sunflower disse...

tá você diz que é o silêncio-sinal e escreve assim, uma coisa linda, aí tenho mais é que ficar calada mesmo.

beijas

Rê Ruffato disse...

Desconstruindo o prazer... inspiração, transpiração. Sem palavras, Sá. Deixa eu pensar um pouco, respirar, mentalizar azul pra ver se passa, hahahah.

Paulo Bono disse...

gostoso. muito gostoso.
aquele abraço, escritora

"Monica Mamede" disse...

Estupendo! e, por isso, sem palavras.

anjobaldio disse...

Demais! Grande abraço.

Cássio Amaral disse...

Sam,

Tem um desafio no meu blog pra você.

Um beijo e muita luz.

Lucianne Menoli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucianne Menoli disse...

E era esse o silêncio-sinal. Vc chegou a ver o filme "Ps. eu te amo"? Lembrei dele pelo seguinte: o cara afirma para a menina que é capaz de conseguir o beijo de qualquer mullher porque ele entende quando ou não pode emitir um sinal que nunca é recusado: aquele sinal que nos diz: depois disso, nada mais será o mesmo.

Foi ali exatamente nesse instante que ela entendeu. Sim, tantos caracóis de pernas a gente é capaz na vida, mas tem uns que deixam a alma eternamente no don't leave me alone anymore.

Mto lindo, Sam. Ai, por que será que a gente fala com tanta propriedade desses amores tão intensos??? Será que algum dia nossas alminhas vão explodir em chamas esparramando nossas frases sofridas aos ventos???

Amo vc por tudo que escreves garota. E liga nao, hj eu acordei pra lá de excessiva mesmo. hehehehe

Beijo!

Fabrício Brandão disse...

Ei, querida, essa história toda me lembra a coisa de tentarmos flagrar o instante em que abraçamos o UNO. Será que na combustão que nos enlaça ao jogo do amor conseguimos ser o UM que imaginamos?

Putz, que perguntinha "fela-da-puta", como se diz aqui nas bandas nordestinas!! rsrs

Talvez prefire acreditar que, para além de miopias e outras distorções, existe CURA, sim! Yes, existe CURA, creia comigo!

Beijos felizes de um alguém que aprecia muito seus textos!!

Dione Poisl (Noni) disse...

Escreves muito, muito bem.
Abs

BAR DO BARDO disse...

que texto duca!

BAR DO BARDO disse...

que texto duca!