sábado, 21 de fevereiro de 2009

É preciso um bocado de tristeza...



.
No carnaval, essa solidão estrangeira sempre me visita para assistir a festa alheia. Mas eu não sei sair pra rua de corpo pintado. Eu queria era me enrolar numa saia de renda, sapatilhas e serpentina. As fantasias sendo o que elas sabem de melhor: fantasias.
Gosto dos sambas tristes. Dos sambas com melodias docemente melancólicas. A história do ‘é preciso um bocado de tristeza, é preciso um bocado de tristeza, senão não se faz um samba, não... ’. Pois é.
Sim, sou das tradicionalistas carnavalescas, que ficam resmungando algo do tipo: cadê nossa folia de fantasias, cadê a euforia do samba? Está renegado tão somente por essa mulherada pelada e plastificada.
Digam o que quiserem. Detesto esse carnaval que aí está.
Além de tudo, deixa a cidade vazia e nem beber no meu boteco eu posso, porque está fechado.
.
.
Por isso, está aqui o mínimo do que penso ser alegria, um pouco do que é o meu carnaval:

.
Samantha Abreu
foto de Isabel Santana

3 comentários:

Sunflower disse...

E eu que comprei umas bebidas pra fazer uns workshops de Bartender aqui em casa, pros Renegados da Folia, peguei uma infecção na garganta e estou tomando antibiótico?

Há.

Beijas

BAR DO BARDO disse...

propagandinha básica, saman: o bar do bardo está aberto 24 horas...

rsrs

vc escreve bem, é isso.

Adriana disse...

estou com vc...vou para o bar...do bardo,rs