terça-feira, 17 de março de 2009

(in)crível

foto de jana stolzer
.
Essa estranha beleza
em racionalizar.
Ser dolorido,
mas ser
verdadeiramente.
Tocar tua carne nua,
e saber-te
onde, saber-te
quando.

Não me parece mais encantado
nosso mundo.
Não tenho mais aquelas
fantasias.

Talvez, a realidade não seja assim
tão boa
para amores insólitos.

.
.
Samantha Abreu

17 comentários:

célia musilli disse...

Querida Samantha, às vezes desconfio que a realidade não é boa para amor nenhum...rs Um beijo!

Rodrigo disse...

o amor é brega

celia musilli disse...

Oi samantha, te convido a espiar um teste lá no meu blog..apareça..rs Um beijo!!!

D'angelo disse...

Amores insólidos, bem mesmo o que eu penso. Belas palavras.

Gil. disse...

"Essa estranha beleza em racionalizar. Ser dolorido,mas ser
verdadeiramente..."
[Que bonito]

Thiago Quintella disse...

Talvez a realidade nem precise entrar em jogo, basta a fantasia e o delírio.

Alê Quites disse...

Flor,
tem um presentinho no meu blog pra ti.
Beijossss

Alex disse...

Amores insólitos já nascem amaldiçoados.

Samantha, saudade daqui. Dos teus versos. Dessas imagens são boas e inspiradoras. Gosto. E muito.

Um beijo.

Rê Ruffato disse...

A realidade joga contra o amor, isso é fato.
O lance, parece, é trazer um pouco de fantasia pro dia-a-dia... mas quem sou eu pra falar alguma coisa sobre, aprendiz total na arte de amar? tsc tsc tsc...
beijocas

Mariana Feistauer disse...

o amor é feito de fantasias e devaneios. Da janela pra fora, vai ficando meio amargo.
gostei muito do poema.

Assis de Mello disse...

Belíssimo blog, Samantha.
Tem um mundo todo por aqui !!!
Beijooo,
Chico

Anônimo disse...

(comentário da bel)

lembrei de um poema...vou procurar pra te enviar, peraí...

_______________________________

Arnaldo


Já não mais os brincos brilham nesse rosto
que a dor adorna.

Já não luz reflete e reproduz clareza nessa cara
que a dor adora.

Já não voz amiga instila calma nessa alma
que à dor é cara.

Já o mal domina e doma, o mel já não adoça;
adoece.

Dói o açoite da noite, amanhã
não amanhece.

Já os olhos não brilham nesse resto
que não chora.

A água cada vez mais fria, congelada
agora,

Já esquece o sol que aquece, apaga
da memória

A água quente, corrente, da alegria
que evapora.
_________________

On The Rocks disse...

pode ser.

bj

F. Reoli disse...

Sabe que as vezes prefiro me enredar no mundo das fantasias? A realidade as vezes tem menos cores do que as paredes da imaginação...
Te beijo

Jucosfer disse...

Talvez..né!?!

Belo texto.

beijos.

L. Rafael Nolli disse...

Uma pergunta interessante e importante: onde e como poderão vingar os amores insólitos?

Anônimo disse...

Rafael, me telefone que te respondo.