quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Universo Particular

foto de SnjezanaJosipovic

Existe um universo particular ainda desconhecido.
Pode-se saber algumas cores e dores, sem esperar com isso qualquer tipo de segurança que garanta autodomínio. A ribanceira depois da curva é sempre inesperada.
Desse mundo, até agora não se sabe se redondo, se planície ou pra que lado se deve ir. A única certeza é de que no limite da razão, ainda somos perdoáveis. Mas a um passo depois da linha, não.


Samantha Abreu

12 comentários:

MaicknucleaR disse...

ô, diliça!

Ana disse...

Puxa... parecidíssimo com o que pensei ainda agora. No meu caso, o depois da linha continua perdoável.
;)

Marcos Satoru Kawanami disse...

a polícia prende, o juiz solta. senador da república então...

anjobaldio disse...

Maravilhoso, como sempre. Grande abraço.

L. Rafael Nolli disse...

Opa, que bacana. Estou contigo: depois da linha não!

Adriana disse...

E não se deve ultrapassar a linha...Você escreve que é uma delícia Samanta

Rodrigo Carreiro disse...

Eu ainda não cruzei a linha. Ainda.

BAR DO BARDO disse...

Sempre me colocando de frente ao abismo, né, Samantha?!

E "jogando a chave fora"...

Fiz uns textos denominados poeminhas - adoraria que você, se pudesse, lesse. Se não puder, sem pobrema.

Tchau.

Fabrício Brandão disse...

"Depois da linha" talvez seja tarde demais. Muita coisa nessa nossa incerta sina terrena parece funcionar assim. Adorei esse arremate, querida!

Beijos!

Alex Oliveira. disse...

tava com saudade de ler seus textos.

F. Reoli disse...

O melhor das ribanceitas inesperadas, depois das curvas, é que as vezes a gente vê o mar...
Beijo, beijo, beijo, Sam

célia musilli disse...

Pois é Samantha e estou quase atravessando a linha...rs Ui!! que será de mim?? rs Beijosss