terça-feira, 29 de setembro de 2009

da desordem dos recomeços

Em nenhuma das costuras que nos remendam ficaremos inteiros: eu, você, você, eu. Hão de se esgarçarem aos impactos, hão de se arrebentarem nas rochas.
Em nenhum dos retoques ficaremos refeitos. Duas cicatrizes de feridas que sempre doerão e continuarão se abrindo pelo ardor de memórias.
Em todos os consertos nos sobrarão rachaduras. Seremos sempre esse desencaixe. Mãos que não se entrelaçam, suores que não colam, pés que não se enroscam. A cara metade deformada pelo tempo e pela tênue linha entre o amor e ódio, filhos da mesma chama: brasas de uma única fogueira, que fagulham juntas mas morrem por ventos de distintas direções. Um contorno mal feito, uma descombinação, um descompasso, uma desproporção.
Uma história sem pé nem cabeça.


Samantha Abreu
foto de reejka

11 comentários:

Tarcísio Buenas. disse...

que vai passar sem deixar rastros...

bj

Erica Maria disse...

Lindo texto*

Foi lendo o seu blog, que tomei coragem e criei um...

Adoro vc Samantha*

Bjos :)

Erica Maria disse...

Lindo texto*

Foi lendo o seu blog, que tomei coragem e criei um...

Adoro vc Samantha*

Bjos :)

Marcos Satoru Kawanami disse...

como "sem pé nem cabeça"? tem muita verdade que "nos sobrarão rachaduras" e "seremos sempre esse desencaixe".

o mundo sem as rachaduras seria tedioso, um cacete só.

e já pensou se não houvesse os desencaixes? a gente ia sair por aí encaixado, que nem poodle no cio?

enfim, o texto tem pé e tem cabeça, e eu o engoli num ritmo compassado e coerente.

Anônimo disse...

como sempre.....arrasante!!!
Fatiminha

Adriana Karnal disse...

goste da verdade lírica.

célia musilli disse...

Há sempre cicatrizes de guerra e tatuagens de amor em nosso corpo/memória...Um grande beijo.

Anônimo disse...

A Editora Multifoco abre as portas, digo, as páginas para os microficcionistas:

http://grupomultifoco.com.br/tresporquatro

www.editoramultifoco.com.br

Caso se interesse, leia atentamente a aba "Dúvidas" do blog 3x4 e nos envie o seu original para análise.

Atenciosamente,


W.G.
3x4 | microficções
EDITORA MULTIFOCO
tresporquatro@editoramultifoco.com.br
-----------------------

BAR DO BARDO disse...

Texto muito bom, Samantha!

Parabéns!

Gabriel Ruiz disse...

Genial.
Os dois primeiros parágrafos são parte da minha vida hoje. E escrever fazendo com que as pessoas mais distantes se identifiquem é coisa de gente talentosa.

um beijo.

Karen Debértolis disse...

lindo!