domingo, 18 de outubro de 2009

Sobre Viver Apesar

Todo sentimento anula
a desgraça libertária de serzisses.
Todo amor desarruma
a independência viril do orgulho.

Não há sensibilidade nas ruas,
não há emoção nesses bares.

Apenas um livrar-se das cotidianas tarefas,
um sair ileso dos convenientes desprendimentos,
o manter-se vivo nesse campo de desconcentração.

Nenhum coração é digno de confiança,
nenhuma razão merece respeito,
e a arte se torna o alívio,
[preparar, apontar: fuzilamento!]
da deslealdade da guerra.


Samantha Abreu
foto de Ellen von Unwerth

9 comentários:

On The Rocks disse...

"nenhum coração é digno de confiança",

assino embaixo.

bj

Marcos Satoru Kawanami disse...

"a arte se torna o alívio"

assim é naquele filme:

"A Vida é Bela"

Janela Aberta disse...

"Apenas um livrar-se das cotidianas tarefas[...]"

Parabéns!! Adorei!!

BAR DO BARDO disse...

good

Pedro Du Bois disse...

Samantha: apesar do dia - e diariamente - vive-se apenas.
belo texto. abraços, pedro.

Felipe da Costa Marques disse...

prodigy sonnet

very good!

kisses

Felicidade Clandestina. disse...

vivemos sim,
neste campo de desconcentração''

amei

lindíssimo texto .

amei ter achado este espaço.

já sigo.

Marcos Satoru Kawanami disse...

aquela foto nova do teu rosto no Versos de Falópio está boa.

cláudia i, vetter disse...

FANTÁSTICO!

Você só melhora com o tempo...

;)