terça-feira, 17 de novembro de 2009

Metaforicamente Amor

"(...)Eu quero uma verdade
inventada."
C.Lispector, A paixão segundo GH
Imaginar é natureza.
Se dedos fossem corpo, seria tão mais fácil te amar. Mas os meus nunca se perdem enquanto buscam o tato secreto que te contenha.
Fantasiar-te me exige metáforas plenas. Daquelas que o amor nem sempre concede. Amor oportunista: figurações só são possíveis quando o mimam. Tem sido sempre assim. E sem elas [as tais metáforas] como transformo meu tato no seu?
O amor goza do poder que manipula o imaginário. Pela vontade dele minha natureza trabalha a favor do universo, minha imaginação nos coloca no sentido mais doce dos sonhos, e minhas digitais ficam sensíveis até à minha própria casca.
.
Samantha Abreu
foto de olga andriash

6 comentários:

Jucosfer disse...

nem sei o que dizer desse texto tão.. tão...

Felicidade Clandestina. disse...

''Fantasiar-te me exige metáforas plenas. Daquelas que o amor nem sempre concede.''

amor é fantasia.

Carol disse...

"O amor goza do poder que manipula o imaginário..." adorei isso.
BJoo

Marcos Satoru Kawanami disse...

alcaguete, delator, dedo duro. desenvolva.

tbe disse...

Muito bom!

Marcos Satoru Kawanami disse...

RAPARIGA ALEGRE

um dia a Dadete
se meteu com Delator
sem saber do caguete
que tinha esse impostor.

mania feia dessa gente
dada a ser dedo-duro...
pois logo ficou patente
que Delator cobrava juro.

colocou a pica ao ágio
da bolsa de valores,
e Dadete por um fromaggio
vendeu todos seus pudores.

triste enleio por que passa,
na unha de alcagüete,
tutta leggiadra ragazza
que escorrega num cacete!

Marcos Satoru Kawanami