sábado, 24 de julho de 2010

O Golpe

foto de Olivia Arthur

A diferença entre a pancada e tombo está no cambalear das pernas.
As mesmas que vibram durante o ato - teu dia amanhecendo em mim – são as que cedem diante do fato de que tua ausência seja sempre
passagem.

O teu perfeito golpe me pega na rigidez das coxas, para o amparo dos braços antes da queda. Mas o tombo chega inelutável, fazendo do sonho o susto
sempre depois do nascer do dia
o nocaute, a lona.


Samantha Abreu

9 comentários:

José Calvino disse...

Golpe sem defeitos.
Knock out poético, Sa!, rs
Gostei muito, poetamiga!
Beijos do,
José Calvino
RecifeOlinda

romerioromulo disse...

samantha:
estou com altas intimidades.
romério

Marcelo Mendonça disse...

saudades das tuas poesias, nos perdemos um pocu ono espaço on line e agora, graças ao twitter, de volta. bjo e volta la tambem:

www.caralhaquatro.blogspot.com

Ricardo Dalai disse...

Já estava começando a esquecer como seus textos me deixam tonto...

saudade, amor
beijos

Pedro disse...

Vai na lona, mas recupera...

Fabrício Brandão disse...

Sem dúvida, um golpe poético daqueles!

Beijos, querida!

Moska de Bar disse...

Abre-se a contagem. Tanto ar, tanta dor e ainda assim: prazer!
Te beijo, Sam

Marcos Satoru Kawanami disse...

fodeu até ficar suada e frouxa, de bruços e olhos no infinito.

Erica Maria disse...

Sempre intensa!

Tá lindo o novo visual do blog!

Bjos!