sábado, 10 de dezembro de 2011

Acaloramento de dentro


Tenho a lava que se eleva, um fervor
na medula.
Nenhuma recomendação de gelo alivia,
quando estou no centro do fogo.
E se chama, ouço queimar.

Não há saída que não seja para o alto,
no céu onde ele está,
acalorando espaços entre braços e dentes.

Quando caí,
ficou um sol inteiro orbitando em mim.



Samantha Abreu
foto desconhecida

2 comentários:

Ricardo Dalai disse...

"E se chama, ouço queimar."

que raiva boa de vc!
saudade daqui!
saudade de vc.
bjo, Sá

INFETO disse...

Como no texto anterior"ceus de menina" em alguns casos o inesperado vem d ecima e nos forçar a ficar ca embaixo esperando tempo melhor. abraços